Equitação Correta

Conheça uma série de exercícios que podem ser aplicados na formação de novos cavaleiros 

Para muitos montar a cavalo é o simples ato de sentar a sela e sair cavalgando. Mas, na realidade, a equitação é a ciência que estuda os movimentos, as ações e reações e o equilíbrio do conjunto cavalo-cavaleiro. Ou também pode ser a arte de dirigir, conduzir, exercitar, utilizar o cavalo em todos os seus aspectos. 

É justamente para tentar mostrar o melhor caminho para essa perfeita sintonia entre homem e animal que o cavaleiro Ito Ricciluca lançou o livro “Montando Fácil”. A partir desta edição, a Horse publica trechos da obra, que ensina uma série de exercícios que podem ser aplicados na formação de novos cavaleiros. Em várias lições, os leitores terão um material de consulta que pode auxiliá-los, esclarecendo e ensinando as principais técnicas da equitação. 

Podemos definir equitação como a arte de bem montar, dirigir, conduzir, exercitar, utilizar o cavalo em todos os seus aspectos. Podemos também dizer que é aciência que estuda os movimentos, as ações, as reações, o equilíbrio do conjunto cavalo e cavaleiro. 

Então equitação é arte ou ciência? 

Há séculos os grandes mestres vêm discutindo apaixonadamente a esse respeito, e a final chegaram a um consenso. 

De maneira alguma a equitação é uma ciência exata. Quando nos dirigimos a um ser dotado de vontade própria, as teorias mais sábias, as técnicas mais perfeitas, ficam sujeitas ao sucesso ou ao fracasso de maneira imprevisível. 

A transformação das forças do cavalo pelas forças transmitidas do cavaleiro corresponde, todavia, mais a um toque “genial”, quer dizer, a arte do mestre sobrepõe a ciência, mas é através da ciência, do estudo da equitação, dos conhecimentos teóricos e práticos que o cavaleiro há de elevar-se à maestria. Assim, todo conhecimento científico adquire seu maior valor. A equitação vem sendo estudada desde a mais remota antiguidade. Podemos entender que no principio foi instintiva e em- pírica, e não há dúvida de que foram inúmeros os ginetes que alcançaram assim suas vitórias. Mas toda a equitação instintiva tem seus limites e não se pode pretender alcançar as glórias desta arte, acessível tão somente àqueles que, acima de seu dom pessoal, possuem uma técnica enriquecida constantemente pela re- flexão, estudo e prática. 

Em resumo, podemos concluir que a equitação é primeiro instintiva, logo depois regularizada pelos conhecimentos teóricos, reforçados pela prática, para então culminar em uma síntese de ciência e arte, patrimônio dos cavaleiros que a ela se dedicam. 


Wilson Ricciluca Junior Ito é autor do livro “Montando Fácil”, criador de cavalos Lusitanos e treinador 

Flexões Frontais 

São todos os exercícios que flexionam o dorso do cavalo no sentido vertical. Estas práticas são fundamentais ao desenvolvimento e manutenção da descontração do cavalo, conferindo-lhe movimentos fluidos e naturais. 

Baixada de Pescoço 

O exercício de Baixada de Pescoço é o mais simples dos movimentos de flexão. Permitimos que a cabeça e o pescoço do cavalo vão para frente e para baixo, mantendo a cadência e o ritmo do andamento, ocasionando assim o arqueamento do dorso do cavalo para cima. A cernelha atua como ponto central da “gangorra”, pois quando o pescoço abaixa, o dorso sobe. 

A Baixada de Pescoço provoca a extensão da linha superior como ficam as setas ai e a2, encurtando a linha inferior, (abdome) como ficam as setas b1 e b2, reunindo os membros, elevando e flexionando levemente o dorso para cima, como indica a seta c. O dorso flexionado para cima fortalece e músculo o cavalo de forma que ele desenvolva condições de suportar a sobrecarga do cavaleiro. 

Para efetuarmos a Baixada de Pescoço aumentamos a impulsão e o contato das rédeas (figura l). 

Assim que o cavalo aumenta o peso nas mãos do cavaleiro, aliviamos gradativamente o contato das rédeas, estimulando o cavalo a acompanhar o bridão para frente e para baixo (conforme figura) 

A Baixada de Pescoço provoca a flexão do dorso do cavalo para cima, acarretando no engajamento dos posteriores. 

Este movimento pode ser feito ao passo, ao trote ou ao galope. No entanto, quando feito ao trote, é interessante passar do trote sentado ao trote elevado ao mesmo tempo que aliviamos as rédeas. A Baixada de Pescoço é o melhor exercício para se obter a descontração, principalmente em cavalos novos. É a primeira flexão que devemos buscar e treinar nos cavalos. É o primeiro exercício de cada dia, e devemos iniciar o trabalho sempre por ele. 

Flexões frontais e laterais 

Considero o flexionamento do cavalo um dos itens mais importantes do estudo da equitação. Gosto de dizer que o cavalo flexionado fica suscetível às ajudas, isto é, fica dispo- nível ao cavaleiro para executar todos os comandos, fica “Limpo”, sem reações indesejáveis aos movimentos. O cavalo flexionado esta praticamente “Pronto”, está “Domado”, está pre- parado tanto para qualquer esporte quanto para o lazer. 

Os exercícios de flexão são tão úteis para o cavalo como PARA O cavaleiro, e têm por objetivo: 

  • A descontração geral do corpo e espírito do conjunto cavalo e cavaleiro. 
  • A afirmação do emprego das ajudas, em busca dos EXERCÍCIOS desejados. 
  • A musculação e fortalecimento do cavalo nos conjuntos e músculos ideais para a execução de todos os exercícios. 
  • O afinamento das ações e sensações entre cavaleiro e cavalo, confirmando assim o processo mental do cavalo em executar os exercícios. 
  • A disponibilidade para se executar todas as transições. 

Estes são alguns entre diversos efeitos fundamentais importantíssimos para se montar bem a cavalo, que iremos descobrir com o treina- mento desses exercícios, que levam a um aperfeiçoamento, para uma equitação superior. É bom lembrar que para se obter um bom trabalho de flexão, é necessário manter a impulsão sempre em um nível ideal, suficiente para que o cavalo execute os exercícios de flexões. 

Vamos separar as flexões em frontais e laterais que são divididas em baixada de pescoço, transições de andamentos e meias-paradas (frontais) e cedência à perna, espádua a dentro e apoiar (laterais).